sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Ficha de Segurança de Lâmpadas UV

Buscando sempre orientar seus clientes quanto ao correto uso das lâmpadas UV, a VisionCure elaborou uma ficha de segurança onde detalha todas as cautelas necessárias.

Além disso elencamos as ações a serem tomadas em caso de quebra de lâmpadas.

A ficha de segurança pode ser baixada no link http://www.visioncure.com.br/arquivos/ficha.pdf ou clicando aqui.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Almanaque do Rio dos Sinos

O Grupo Sinos, importante empresa de comunicação, dona de vários jornais no RS, lança o inédito Almanaque do Rio dos Sinos, com o objetivo de aproximar a comunidade ao rio de modo a fomentar o espírito de preservação dos recursos naturais.
A VisionCure, engajada em ações ambientais educativas, em parceria com a LZ Ambiental, patrocina esta iniciativa do Grupo Sinos.
Vale lembrar que a VisionCure desenvolve soluções para cura (polimerização) por meio de emissão UV, em processos de pinturas com tintas totalmente isentas de solventes, o que significa menor emissão de efluentes na Natureza.

Plantio de Árvores é notícia no Jornal NH

Importante veículo de comunicação do Vale do Rio dos Sinos, o Jornal NH, veiculou hoje, 23-09-2011, cobertura do evento em comemoração ao Dia Internacional da Árvore.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

VisionCure celebra o Dia Internacional da Árvore

A VisionCure desenvolve soluções para processos de cura por emissão UV. São processos totalmente isento de solventes, o que garante drástica emissão de efluentes líquidos por parte das empresas que possuem sistemas de pintura.
Além disso, A VisionCure, que está implementando seu Sistema de Gestão Ambiental com apoio da LZ Ambiental, está atenta ao futuro de nossas gerações. Nada mais oportuno que valorizar o plantio de árvores nativas em pleno Dia Internacional da Árvore.
Em parceria com a Escola de Educação Infantil Gente Moleque e com a LZ Ambiental, a VisionCure efetuou a distribuição de cem mudas de árvores nativas do Brasil para as crianças bem como plantou na escola uma árvore de modo a estimular a comunidade sobre a importância delas em nossas vidas.
Mais do que apenas comercializar produtos, uma empresa séria precisa ter responsabilidade com o meio-ambiente e com futuro das crianças. A VisionCure, empresa que recebe sem custos 100% dos produtos usados de sua fabricação, dá mais um passo em sua política ambiental participando de um evento tão importante à educação ambiental das crianças.
Obrigado a todos que se envolveram no projeto.





quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Câmara recebe projeto que eleva o teto do Supersimples

Publicado em: 17/08/2011 05:55:11 no http://www.faxaju.com.br/viz_conteudo.asp?id=121908


Texto prevê aumento da receita bruta anual do Simples de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões
Já está na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei Complementar (PLP) 87/11, do Poder Executivo, reunindo as alterações na Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, anunciadas no dia 9 de agosto pela presidente Dilma Rousseff e pelo  ministro da Fazenda, Guido Mantega. O documento acrescenta novidades ao PLP 591/10, que já tramita na Casa.
Entre as mudanças, o projeto aumenta o teto da receita bruta anual das empresas do Simples Nacional, também conhecido como Supersimples, de R$ 240 mil para R$ 360 mil para microempresas, e de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões para as pequenas. Cria ainda o parcelamento, em até 60 meses, dos débitos tributários das empresas desse sistema especial de tributação – o que hoje não é permitido. A proposta aumenta ainda de R$ 36 mil para R$ 60 mil a receita bruta anual do Empreendedor Individual – profissionais que trabalham por conta própria, como cabeleireiras e chaveiros.
Pelo projeto, as empresas do Simples também poderão exportar até o mesmo valor total da sua receita bruta anual sem serem excluídas do sistema. Assim, por exemplo, a empresa que estiver no teto máximo de R$ 3,6 milhões, poderá exportar mais R$ 3,6 milhões sem ser obrigada a sair do sistema.
Entre as simplificações para esse público, o projeto estabelece que o registro, alteração e fechamento da atividade do EI, e quaisquer outras exigências para o seu funcionamento deverão ter trâmite especial e simplificado, podendo ser feito preferencialmente por meio eletrônico – a exemplo do que já ocorre com a formalização desse público no Portal do Empreendedor.
Sem acordo
Ficaram sem acordo e fora do PLP 87/11 pontos do PLP 591/10, como entrada de novas categorias econômicas no Simples, à exemplo de academias e serviços de fisioterapia, as atividades de manipulação de produtos farmacêuticos, indústrias de aguardentes, vinhos, cervejas e licores - todos artesanais - além de todas as atividades do setor de serviço, que hoje estão fora do sistema.
Outro ponto que ficou de fora foi o que resolveria o problema do Imposto sobre Circulação de Mercadoria (ICMS) para empresas do Simples, retirando produtos e serviços que envolvem o segmento da incidência da substituição tributária ou de retenção na fonte - com exceções como para combustíveis, cigarros, bebidas alcoólicas e refrigerantes.
“Deverá ser votado o que ficou acordado. Restam algumas questões que vão ficar em discussão paralela, mas agora o importante é que vieram o parcelamento, o reajuste dos limites de enquadramento do Simples e do Empreendedor Individual , além do incentivo à exportação, entre outras medidas prioritárias”, diz o presidente da Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa no Congresso Nacional, deputado Pepe Vargas.
Tramitação
O projeto do governo está na mesa Diretora da Câmara aguardando distribuição para as comissões. A expectativa de Pepe Vargas é de que ele tramite apensado ao PLP 591/10, que está com pedido de urgência e, assim, siga direto para apreciação pelo Plenário. “Não vejo como a mesa Diretora tomar decisão diferente”, avalia. O problema, explica, é que a pauta está trancada por quatro Medidas Provisórias, além do projeto que cria o Programa Nacional de Acesso ao ensino Técnico e Emprego (Pronatec), que tramita em regime de urgência.
Agência Sebrae de Notícias

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Plano de estímulo à indústria prevê desoneração de tributos e da folha

por Alexandro Martello Do G1, em Brasília
Postado originalmente em: http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/08/veja-medidas-do-brasil-maior.html 
O governo federal confirmou nesta terça-feira (2), por meio da página do plano "Brasil Maior", as medidas do pacote de "bondades" para estimular a competitividade da indústria brasileira em um momento de dólar baixo, que torna as exportações mais caras e as importações mais baratas. Segundo o governo, este pacote é mais "abrangente" do que os anteriores.
O plano visa compensar os efeitos da queda do dólar, que oscila ao redor de R$ 1,55 nos últimos dias, a menor cotação dos últimos 12 anos. A nova política será anunciada nesta terça-feira em cerimônia no Palácio do Planalto.
Entre as medidas para fornecer melhores condições de competição para as empresas brasilerias, há desonerações de tributos, como a manutenção do IPI baixo sobre material de construção, bens de capital (máquinas e equipamentos para a produção), além de caminhões e veículos comerciais leves. Também haverá mais agilidade, segundo o governo, no ressarcimento de R$ 13 bilhões em créditos dos 116 maiores exportadores.
Também está sendo estabelecidea uma recuperação mais rápida de créditos tributários das empresas e a desoneração da folha de pagamentos, mas somente para alguns setores. Entre os setores contemplados, estão o de confecções, além de calçados e artefatos, móveis. Estes são os setores que mais reclamam da perda de competitividade com o recuo do dólar. Além disso, também haverá desoneração da folha para os setores ligados à tecnologia da informação (softwares).

Perda de participaçãoLevantamento da CNI mostra que, por conta do dólar baixo, 48% das empresas exportadoras perderam participação no mercado externo em 2010, ou deixaram de exportar no ano passado. "Diante de um novo cenário, no qual a moeda brasileira torna-se cada vez mais forte, ganhos de competitividade são fundamentais para a sustentação das exportações (...) É preciso retirar os entraves à competitividade industrial", avaliou a CNI nesta segunda-feira (1).
O pacote do governo também contempla a manutenção do chamado Programa de Sustentação do Investimentos (PSI), operacionalizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), até dezembro de 2012, no valor de R$ 75 bilhões em crédito. Sem a prorrogação, o programa terminaria no fim deste ano. Por meio deste programa, o governo fornece linhas de crédito com juros subsidiados para o setor privado realizar investimentos.
Veja abaixo as medidas do pacote de estímulo à competitividade do governo federal:
Desoneração tributária
• Redução de IPI sobre bens de investimento:
- Extensão por mais 12 meses da redução de IPI sobre bens de capital, materiais de construção, caminhões e veículos comerciais leves.
• Redução gradual do prazo para devolução dos créditos do PIS-Pasep/Cofins sobre bens de capital:
-De 12 meses para apropriação imediata.
Financiamento ao investimento
• Extensão do PSI até dezembro de 2012 (BNDES):
- Orçamento de R$ 75 bilhões
- Mantidos focos em bens de capital, inovação, exportação, Pro-Caminhoneiro.
- Novos setores/programas: componentes e serviços técnicos especializados; equipamentos TICs; ônibus híbridos; Proengenharia; Linha Inovação Produção.
• Ampliação de capital de giro para MPMEs BNDES Progeren:
Novas condições de crédito e prazo
- Orçamento: de R$ 3,4 para R$ 10,4 bilhões
- Taxa de juro: 10 a 13% a.a.
- Prazo de financiamento: de 24 para 36 meses
- Vigência prorrogada até dezembro de 2012
- Novos setores incluídos (para médias empresas): autopeças, móveis e artefatos
• Relançamento do Programa BNDES Revitaliza:
Novas condições de financiamento ao investimento
- Orçamento: R$ 6,7 bilhões
- Taxa fixa: 9%
- Vigência até dezembro de 2012
- Novo setor incluído: autopeças
• Criação do Programa BNDES Qualificação:
- Orçamento de R$ 3,5 bilhões
- Apoio à expansão da capacidade de instituições privadas de ensino técnico e profissionalizante reguladas pelo MEC
- Taxa de juros máxima: 8,3% a.a.
• Criação de Programa para Fundo do Clima (MMA)/BNDES:
- Recursos para financiar projetos que reduzam emissões de gases de efeito estufa.
Financiamento à inovação
• Novos recursos para a Finep:
- Concessão de crédito de R$ 2 bilhões do BNDES para ampliar carteira de inovação em 2011. Taxa de 4% a 5% a.a.
• BNDES: crédito pré-aprovado planos de inovação empresas
- Inclusão de planos plurianuais nas linhas de inovação das empresas do BNDES Limite de Crédito Inovação.
• BNDES: ampliação dos programas setoriais
- Ampliação de orçamento e condições de acesso aos programas setoriais na renovação: Pro-P&G, Profarma, Prosoft, Pro-Aeronáutica e Proplástico, quando da sua renovação.
• BNDES: Financiamento para redução de emissões
- Apoio ao desenvolvimento tecnológico e à comercialização de bens de capital com selo de eficiência energética do Inmetro e para linhas de equipamentos dedicados à redução de emissões de gases de efeito estufa (Fundo Clima – MMA).
Marco legal da inovação
• Encomendas tecnológicas:
- Permitir contratos com cláusulas de risco tecnológico previstas na Lei de Inovação.
• Financiamento a ICTs privadas sem fins lucrativos:
- Permitir inclusão de projetos de entidades de ciência e tecnologia privadas sem fins lucrativos na utilização dos incentivos da Lei do Bem.
• Ampliar o atendimento das fundações de apoio às ICT:
- Permitir que as fundações de apoio atendam mais de uma ICT.
• Modernização do Marco Legal do Inmetro:
- Ampliação no controle e fiscalização de produtos importados.
- Ampliação do escopo de certificação do Inmetro.
- Implementação da “Rede de Laboratórios Associados para Inovação e Competitividade”.
- Maior facilidade em parcerias e mobilização de especialistas externos.
• Financiamento P&D (Lei nº 12.431):
- Incentivo a investidores de títulos mobiliários de longo prazo e Fundos de Participação voltados para projetos de investimentos em PD&I (redução de alíquota do IR incidente sobre os rendimentos auferidos pelo aplicador).
Desoneração das exportações
• Instituição do Reintegro:
- Devolução de créditos de PIS/COFINS até 4% do valor exportado de manufaturados acumulados na cadeia produtiva, que hoje não dão direito a crédito.
• Ampliar o ressarcimento de créditos aos exportadores:
- Mais agilidade aos pedidos de ressarcimento de R$ 13 bilhões dos 116 maiores exportadores.
- Processamento automático dos pedidos de ressarcimento e pagamento em 60 dias a empresas com escrituração fiscal digital, a partir de outubro de 2011.
- Escrituração fiscal digital obrigatória, a partir de março de 2012.
Defesa comercial
• Intensificação da defesa comercial: antidumping, salvaguardas e medidas compensatórias:
- Redução de prazos: de 15 para 10 meses (investigação) e de 240 para 120 dias (aplicação de direito provisório).
• Combate à circunvenção:
- Extensão de direitos antidumping ou de medidas compensatórias a importações cujo objetivo seja reduzir a eficácia de medidas de defesa comercial em vigor.
• Combate à falsa declaração de origem:
- Indeferimento da licença de importação no caso de falsa declaração de origem, após investigação.
• Combate a preços subfaturados:
- Fortalecimento da fiscalização administrativa dos preços das importações, para identificação de casos de subfaturamento.
• Aperfeiçoamento da estrutura tarifária do Imposto de Importação com foco na Política:
- Apoiar, no âmbito do Mercosul, a proposta de criação de mecanismo para permitir aumento do imposto de importação.
• Aumento da exigência de certificação compulsória:
- Instituição (ou ampliação) de tratamento administrativo para importações de produtos sujeitos à certificação compulsória e fortalecimento do controle aduaneiro desses produtos, mediante cooperação entre Inmetro, Secex e Receita Federal.
• Fortalecimento do combate a importações ilegais:
- Criação de grupo de inteligência/operações Polícia Federal – Sistema MDIC, para combater a violação de propriedade industrial e de certificação compulsória.
• Suspensão de ex-tarifário para máquinas e equipamentos usados:
- Revisão da Resolução CAMEX suspendendo a concessão de ex-tarifário para bens usados.
• Quadruplicar o número de investigadores de defesa comercial:
- Ampliar de 30 para 120 o número de investigadores de defesa comercial.
Financiamento e garantia para exportações
• Criação de Fundo de Financiamento à Exportação de MPME – Proex Financiamento:
- Fundo de natureza privada criado no BB para empresas com faturamento de até R$ 60 milhões.
- A União é o principal cotista (aporte inicial), mas outras instituições poderão fazer parte do fundo.
- Alimentado com os retornos futuros do Proex Financiamento.
- Aprovação na alçada do BB.
- FGE: sistema informatizado para emissão de apólice on line BB.
• Enquadramento automático Proex Equalização:
- Definição de spreads de referência que terão aprovação automática nas exportações de bens e serviços.
- Empresas com faturamento de R$ 60 a R$ 600 milhões continuarão com condições de financiamento equiparadas ao Proex Financiamento.
• FGE limite rotativo instituições financeiras – países de maior risco:
- Fundo de Garantia à Exportação com limite de US$ 50 milhões ao ano para exportação de bens manufaturados.
Promoção comercial
• Entrada em vigor do Ata-Carnet:
- Facilitação da circulação dos bens em regime de admissão temporária (sem a incidência de tributos).
• Estratégia Nacional de Exportações:
- Adoção de estratégia de promoção comercial por produtos/serviços prioritários em mercados selecionados e adoção dos Mapas de Comex por Estado.
Desoneração da folha de pagamento
Projeto piloto até 2012, terá medidas acompanhadas por um comitê tripartite formado por governo, sindicatos e setor privado. Setores intensivos em mão-de-obra:
- Confecções
- Calçados e artefatos
- Móveis
- Software
Regime especial setorial
Automotivo: criação de um novo regime
- Incentivo tributário como contrapartida ao investimento, agregação de valor, emprego, inovação e eficiência.
- Assegurado os regimes regionais e acordo do Mercosul.
Compras governamentais
Regulamentação da Lei 12.349/2010:
- Institui margem de preferência de até 25% nos processos de licitação para produtos manufaturados e serviços nacionais que atendam às normas técnicas brasileiras.
- Foco nos setores: complexo de saúde, defesa, têxtil e confecção, calçados e tecnologia da informação e comunicação.
- As margens serão definidas levando em consideração: geração de emprego e renda e desenvolvimento e inovação tecnológica realizados no país.
Harmonização de políticas de financiamento
Acordo entre bancos públicos para estabelecer condições de financiamento convergentes de incentivo à produção.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Alphapaint: lâmpadas que quebram paradigmas

Desde as primeiras lâmpadas UV comercializadas no Brazil, ainda na década de 70, se estabeleceu como paradigma a garantia de 1000h de uso de tais produtos. A Vision-Cure iniciou suas atividades oferecendo lâmpadas com este mesma garantia, mas não concordou com este limite...
A empresa investiu em pesquisa e assessorada por institutos tecnológicos da Alemanha desenvolveu a nova série de lâmpadas que denominou Alphapaint. São lâmpadas de mercúrio com garantia de 2000h e lâmpadas dopadas com garantia de 1000h, voltadas inicialmente ao segmento moveleiro.
A Vision-Cure dá um passo a frente de seus concorrentes a ser a primeira empresa da América Latina a fabricar lâmpadas com o dobro de garantia. Tudo isso é fruto do investimento continuado em melhorias tecnológicas e na aposta de que os clientes buscam muito mais do que preços baixos.
As lâmpadas de longa vida marca Alphapaint reduzem os custos de reposição, tempos de set up de equipamentos e hora de máquinas parada para manutenção.
Busque mais informações sobre estes novos produtos e seja mais uma empresa a investir em tecnologia de cura UV.
Envie email para vendas@visioncure.com.br

Resultados da feira Label Latino America 2011

A feira Label Latino America 2011, referência no segmento flexográfico, trouxe excelentes perspectivas de negócios.
Foram mais de 80 negócios iniciados na feira, onde os clientes puderam conhecer os novos cabeçotes de cura UV da Vision-Cure, em seus modelos com filtro contra calor (IR), modelos articuláveis, cabeçotes simples e duplos (cura nas 2 faces). Por sua robustez os cabeçotes Vision-Cure despertaram o interesse de importantes clientes que buscam equipamentos aptos às condições adversas dos ambientes de produção no Brasil.
Além dos cabeçotes a Vision-Cure exibiu as lâmpadas de reposição para equipamentos GEW já com os soquetes similares recém implementados por aquela empresa.
Agradecemos a parceria de nossos clientes que nos prestigiaram em mais este evento.

sábado, 18 de junho de 2011

Vision-Cure presenteia clientes

Na sexta-feira passada a Vision-Cure, dentro de sua política de fidelização de clientes, presenteou aqueles que optaram por renovar integralmente suas linhas de pintura com lâmpadas novas enviando-lhes um equipamento de DVD Philips. A idéia é retribuir a fidelidade dos clientes e a disposição a renovar as linhas de pintura por meio de uma doação que poderá ser convertida ao uso que o cliente julgar conveniente.

Na próxima semana outras campanhas serão lançadas. Não deixe de consultar nossa equipe comercial por meio do telefone (51) 3065-3130 para conhecer mais sobre nossas campanhas de fidelização

Agradecemos a todos os clientes que participaram desta empolgante mobilização de marketing.

sábado, 11 de junho de 2011

Balanço da Semana Internacional do Meio Ambiente

A VisionCure promoveu uma importante ação durante a Semana Internacional do Meio Ambiente. Para os clientes que enviassem descartes de lâmpadas velhas ofereceu peças de reposição com até 30% de desconto.

O objetivo da empresa foi o de estimulhar o recolhimento de produtos usados ou obsoletos junto aos clientes evitando o descarte incorreto dos mesmos. O resultado da campanha foi o descarte de mais de 500 lâmpadas usadas, com a orientação da LZ Ambiental, empresa parceira na implantação do Sisema de Gestão Ambiental da VisionCure.

Todos os produtos descartados passarão por processo de descontaminação autorizado e auditado pelas entidades de controle ambiental.


Agradecemos toda equipe VisionCure pelo engajamento na campanha e aos clientes que dela participaram.

Feira Label Latino America











De 27 a 30 de Junho de 2011 a VisionCure estará expondo na Feira Label Latino America, no Palácio das Convenções do Anhembi, em São Paulo, sua linha de cabeçotes de cura UV para sistemas de impressão flexográfica.

O evento será uma feira e conferência internacional de etiquetas adesivas e rótulos e identificação de produtos. Ótima oportunidade para conhecer o que há de novo no mercado de impressão flexográfica!

Aguardamos sua visita. Faça seu credenciamento antes e evite filas: http://www.labellatinoamerica.com.br/credenciamento.php

Lâmpadas de Gravação

Em fevereiro de 2008 a revista Silk Screen e o site Guia do Gráfico publicaram um interessante artigo de nossa autoria sobre as diferentes lâmpadas de gravação /exposição de telas ou matrizes serigráficas. Como abordar o tema nunca é demais informamos o link para a matéria de útil leitura.


http://www.guiadografico.com.br/artigos/lampadas_final.pdf

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Semana Internacional do Meio Ambiente

Em 2011 a Vision-Cure iniciou a implementação do Sistema de Gestão da Qualidade ISO9001:2008. Além disso estamos em plena implantação do Sistema de Gestão Ambiental, que possibilitará num futuro próximo a certificação ISO14001. Nosso objetivo é "zerar" todo o passivo ambiental decorrente da atividade industrial da empresa.

Dentro das políticas de preservação do meio ambiente, que incluem a logística reversa de lâmpadas usadas, a Vision-Cure investe continuamente na capacitação de sua equipe. Neste sentido, na noite de 7 de junho, promoveu em conjunto com a LZ Ambiental, uma noite de treinamento em Gestão de Resíduos Sólidos e Reciclagem.

A empresa ainda recebeu menção honrosa por suas ações em prol da preservação do meio ambiente.





Agradecemos a todos membros da equipe Vision-Cure por participarem do evento bem como a LZ Ambietal que nos brindou como uma noite de crescimento.

A importância do vácuo pelas extremidades da lâmpada


O presente artigo apresentará os dois principais modelos tecnológicos que envolvem procedimentos de vácuo em lâmpadas de cura ultravioleta, apresentando suas características e aspectos relacionados à durabilidade dos bulbos.

Palavras-Chave: lâmpadas UV, bulbos, procedimentos de vácuo, probabilística de vácuo.

Inicialmente devo introduzir o leitor ao que, em física, chamamos de forças de van der Waals. Imaginemos que haja uma superfície totalmente limpa, como é (ou pelo menos deveria ser) a parede interna do bulbo de uma lâmpada ultravioleta. Esta superfície está em temperatura ambiente (em equilíbrio térmico com o meio externo) e não está carregada eletricamente por qualquer processo. Dada esta situação, se visualizarmos a superfície do quartzo com a ajuda de um espectrofotômetro de massa, encontraremos a presença de moléculas de água.
A molécula de água, presente no ar atmosférico através de vapores, se liga a superfície do vidro (ligação meramente de contato) através das chamadas forças de van der Waals. Tais forças são interações atrativas entre corpos distintos (quartzo e água) que ocorrem mesmo na ausência de outras forças de interação (térmica, mecânica, magnética, eletrostática, ...).
O contorno de tais forças, se medirmos microscopicamente o formato da partícula de água, sugere que as mesmas não respeitam a topografia do quartzo, isto quer dizer que não atuam com intensidade proporcional ao formato superficial do vidro. Esta diferença de vetores de força, além de provocar uma determinada forma na partícula (morfologia) de água, também altera a trajetória de tais partículas quando colocadas em movimento cinético dentro do bulbo.
Desta forma, por ação de tais forças, não podemos pensar as probabilidades de movimento dentro dos parâmetros da física clássica quando estudarmos a trajetória de uma molécula de água que é evacuada do bulbo de quartzo.
Explicada a ação destas forças devo mencionar que parte do processo de fabricação de uma lâmpada ultravioleta consiste na remoção de partículas contaminantes do interior do bulbo.
De todas as partículas, a que apresente maior dificuldade de remoção é a da água (dado seu peso atômico). A água, responsável por parte do processo de oxidação e erosão dos eletrodos de tungstênio, se deposita no interior do bulbo simplesmente através do contato dos vapores presentes na atmosfera com o quartzo. Todavia a intensidade desta ligação é dada pelas forças de van der Waals.
Tradicionalmente, os bulbos de lâmpadas ultravioletas eram evacuados através da abertura de um orifício, com diâmetro interno variando desde 1,5 até 2,5mm. Assim, a velocidade de vazão (litros/minuto) do vácuo, bem como a passagem das partículas contaminantes, era limitada a este diminuto conduto.
Abaixo, pode-se visualizar um corte do bulbo com este orifício, comumente chamado de umbigo, e ainda a trajetória esperada da molécula de água durante o vácuo.
 
 
O conduto posicionado na vertical é o “umbigo”. As duas linhas horizontais representam o bulbo da lâmpada (aqui cortado para fins ilustrativos). O pequeno círculo azul depositado na parede interna do bulbo representa uma molécula de água.
A elipse vermelha representa, graficamente, as probabilidades de trajetória da molécula de água. O segmento de reta de cor verde, por exemplo, representa, em comparação ao segmento de reta rosa (que inicia no círculo e termina na elipse), a maior probabilidade de trajetória.
Assim, ao se soltar do quartzo, pela ação da agitação molecular provocada pelo vácuo (volatização), a molécula de água tem maior probabilidade de se colar do lado oposto do que se direcionar até a saída do umbigo.
Tal representação gráfica, fruto de um elaborado cálculo de probabilística, que leva em consideração a topografia do quartzo, a morfologia da gotícula de água e ainda as equações de van der waals, demonstra a dificuldade encontrada pela molécula em encontrar a saída necessária, ou seja, ser evacuada pelo sistema de vácuo. Há de se reiterar ainda o agravamento do problema pelo reduzido diâmetro do umbigo. Abaixo, pode-se visualizar fotografia de bulbos dotados de umbigo.



Após 48 horas de procedimento de vácuo, com alcance de alto vácuo final de até –10 Torr, sob temperatura de 350ºC, para a surpresa de todos, ainda constatou-se a presença de moléculas de água (até 3% do volume), por meio de um espectrofotômetro de massa.
Assim, a questão primordial seria desenvolver outro paradigma de processo de vácuo que reduzisse a presença de água. O simples aumento do diâmetro do umbigo não é boa saída pois aquele ponto apresentará menor intensidade de emissão UV na medida em que contaminantes externos e internos forem se depositando nesta topografia propícia para tanto. Além disto, a presença do umbigo pode gerar um fenômeno chamado falso vácuo.

 

A ilustração acima mostra, através de um corte na parede do quartzo, a configuração topográfica do umbigo. Esta configuração se dá pela forma de corte e selagem do umbigo, demonstrada na fotografia abaixo. Além do mesmo ser um ponto propício ao depósito de contaminantes internos do bulbo (resultantes da erosão do eletrodo), o mesmo, em diversos casos, constitui uma bolsa de acúmulo de moléculas de água e/ou ar.

 
Os sistemas de vácuo podem identificar um bom nível de vácuo (através dos medidores de vácuo) para que a lâmpada seja selada com o mercúrio e o gás ignitor. Todavia, tal medição de alto vácuo pode ser falsa, pois, através dos micro-orifícios formados pela selagem do umbigo (durante o corte do conduto de 2,5mm), forma-se uma bolsa que contém ar. Este ar vai lentamente migrando desta bolsa para o interior do bulbo, acelerando o processo de oxidação dos eletrodos, encurtando a vida útil. Diante dos limites impostos pelo paradigma que resolvemos chamar “umbigo”, desenvolvemos a utilização de outra forma de vácuo : pela extremidade do bulbo. Tal processo é ilustrado na fotografia abaixo:



Abaixo é possível visualizar um bulbo de quartzo, já devidamente montado, configurando assim uma lâmpada acabada.

 

Em ambas as extremidades da lâmpada ocorre o processo de selagem, ou seja, fusão do quartzo para vedação hermética da condição interna do bulbo. No caso do vácuo pela extremidade, ao invés de nos valermos de um orifício feito diretamente no bulbo (o que compromete a emissão naquele ponto como dito anteriormente), o vácuo se dá através de um tubo de quartzo com diâmetro interno de 6,0mm.
Este tubo é o presente no diagrama acima, nas duas extremidades, onde são colados os soquetes de fixação da lâmpada. A opção de evacuar o bulbo por este tubo visa incrementar a taxa de vácuo (litros/minuto) e ainda garantir um melhor vácuo final (expresso em Torr).
Notadamente a probabilidade de uma partícula ser evacuada através de um conduto de 6,0mm de diâmetro é maior do que em um com 2,5mm. Além disto, o fato deste tubo de 6,0mm estar alinhado com o bulbo garantia maior probabilidade de que as moléculas sejam evacuadas, como demonstrado anteriormente. Uma área relativa a um diâmetro de 6,00 temmais probabilidade de ser atravessada por uma partícula em movimento que uma área relativa a um diâmetro de 2,5mm.
Diversas simulações de trajetória de moléculas feitas no paradigma anterior sempre resultavam a presença de água em até 3% do volume. Todavia, mesmo que fossem trajetórias muito complexas, os modelos matemáticos vinculados ao novo paradigma de vácuo que propomos, indicam maior chance de evacuar a água.
Abaixo, pode-se verificar que mesmo, sob trajetórias diversas, a molécula sai do bulbo evacuado pela extremidade. A ilustração é fruto de um cálculo.

Após evacuar um bulbo pela extremidade, durante 48horas, sob 350ºC, em vácuo final de –10Torr, encontramos a presença de moléculas de água em proporção menor que 1% do volume, novamente com a utilização de um espectrofotômetro de massa.
Enfim, a verificação empírica colabora com nossos cálculos de probabilística que reforçam a relevância deste novo paradigma tecnológico nos processos de vácuo em lâmpadas UV. A adoção deste modelo de vácuo (pela extremidade do bulbo e não pelo umbigo) confere maior durabilidade à lâmpada ultravioleta, posto que a vida útil estará sempre ligada ao grau de contaminação interna do bulbo.